quinta-feira, 16 de junho de 2011

Poemas do livro Do Outro Lado da Cidade


Tinto Suave e De Mesa


Uma confusão louca se forma no ar,
Pensamentos que se chocam com ideias,
Ideias que se chocam com pensamentos;
Diante de imagens que se amontoam
Em um universo que só faz crescer.

Sinto sensações novas!
A experiência é diferente
E o querer fica travado em uma interrogação.
Lanço-me na construção do destino,
Com rascunhos e esboços
Que são anulados por mudanças involuntárias.
É muita energia!
Que assusta o corpo antes sedentário
Que nunca foi sedentário.

Degustando novos sabores,
Fico engasgado com as possibilidades;
Rodeado minha mesa redonda,
Cavaleiros históricos como Sócrates,
Platão, Isaac Newton, Shopenhauer, Frederick Nietzshe e outros fulanos.
È muita doideira!
Loucura para os normais,
E ainda mais perguntas para esses loucos.

Sinto-me como o vinho gelado
Que já citei em alguns poemas meus.
Tornando-me natural em uma taça
Ou simplesmente um copo americano;
Com a ânsia simples e pura de ser bebido.

A velocidade das coisas está muito grande,
Sendo preciso assim muita atenção.
Que venham as reflexões constantes,
Para conclusões relevantes apreciadas por vários lados.
Estou um pouco tonto e morrendo de sede,
Acho que vou me tomar!
Lembram que eu disse que estava me sentindo com um vinho?





Eriberto Henrique 17-05-2011

Eu Beijei A Tua Alma.


Teu beijo foi como um furação naquela noite!
Sentir todos o meus nervos se contrairem,
Numa sensação que com palavras não posso definir.
Era um sonho eu sei!
Mas tenho certeza que nos seus lábios posso encontrar a razão dos meus versos.
Tenho medo!
Alguns vultos desconhecidos
Surgiram de forma repentina.
Quando você saiu dos meus braços evaporando pelo ar,
Percebi onde me encontrava naquele sonho;
O lugar era assutador,
A iluminação era escassa com poucas árvores sem folha em volta;
Havia também algumas catacumbas em estado de ruína.
No chão uma grama sem vida, e flores que exalavam um odor nada agradável.
Meu Deus!
O sonho sem você era simplesmente um pesadelo,
Que logo acordei!
Mas eu já estava acordado!
Dentro de um cemitério abandonado.
Sozinho!
Aonde está você?
Diga-me que foi você que beijei,
O meu grande amor que partiu!



Eriberto Henrique 06-05-2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário