segunda-feira, 17 de junho de 2013


No frio aconchegante

 

 

Você estava enchendo a garrafa

E a água transbordou,

O suor escorreu pelos mundos,

Estigado por ecos sussurrados,

Pelo deslizar dos tatos,

E pelo silêncio tão alto quanto um grito.

A essa altura já estava tudo mudado,

Roupas na segunda gaveta,

Tolhas estendidas,

Café da manhã, almoço e jantar,

Muita chuva na janela,

Duas taças de vinho vazias,

E poesias dormindo no frio aconchegante

Do fim do outono.

 

Muita entrega,

Doações que vão alem do que se tem para doar.

Migalhas com tesão de banquete,

Suco de fruta com espuma na borda,

Sabor de uva no refrigerante.

Voar sem sair do chão,

Desenhando sonhos em baixo dos lençóis

Quando o fim de tarde parece um paraíso.

 

 

Eriberto Henrique, Jaboatão-PE, 08 de Junho de 2013

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário